sábado, 11 de setembro de 2010

Vida além da Morte


Quando esse vídeo foi divulgado, muita polêmica surgiu por parte de críticas que viam nas imagens um total desrespeito ao povo judeu, que foi massacrado pelo exército de Hitler durante o holocausto.

Tudo porque o animado grupo, apesar da evidente falta de ritmo, aparece dançando o hino disco "I Will Survive" em frente a cenários que nada remetem à alegria, como o os campos de Concentração de Auschwitz, Duchao, o gueto de Lodz e a Sinagoga Maisel, onde Hitler pretendia contruir o Museu da Raça Extinta.

A crítica era de desrespeito à memória das vítimas do Holocausto.

Agora a história: O velhinho desengonçado que aparece no vídeo é Aoledk Kohn, de 89 anos, ele próprio um sobrevivente de Auschwitz. Sua filha, Jane, uma artistia plástica residente na Austrália convidou o pai para uma viagem à Polônia, terra dos ancestrais da família.

Para celebrar a Vida e a sobrevivência ao massacre dos judeus, eles escolheram a Alegria em vez da tristeza, velas, choro....

Questionado se não considerava o vídeo uma ofensa à memória dos judeus, o Sr. Alek declarou: "Escapei das cinzas e danço por estar aqui com meus netos que poderiam nem existir".


Para finalizar, nas palavras de Gloria Gaynor:

"I've got all my life to live.
I've got all my love to give.
And I'll survive".

ou

"Eu tenho toda minha vida para viver.
Tu tenho todo meu amor para dar.
Eu vou sobreviver".



Para quem optou pela alegria e pela vida.

Clique para assistir ao vídeo


Fonte: Revista Piauí

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Serra ou Dilma? A Escolha de Sofia

Texto de Rodrigo Constantino, que assina a coluna "Eu e Investimentos", do jornal Valor Econômico. Também é colunista do jornal O Globo, Membro-fundador do Instituto Millenium e vencedor do prêmio Libertas em 2009, no XII Forum da Liberdade.

Concordo em 95%. Também estou pensando em dar 'utilidade' ao meu voto votando 'menos pior'.


"Serra ou Dilma? A Escolha de Sofia." (por Rodrigo Constantino )

"Tudo que é preciso para o triunfo do mal é que as pessoas de bem nada façam." (Edmund Burke)

Agora, praticamente é oficial: José Serra e Dilma Rousseff são as duas opções viáveis nas próximas eleições. Em quem votar? Esse é um artigo que eu não gostaria de ter que escrever, mas me sinto na obrigação de fazê-lo.

Os antigos atenienses tinham razão ao dizerem que assumir qualquer lado é melhor do que não assumir nenhum?

Mas existem momentos tão delicados e extremos, onde o que resta das liberdades individuais está pendurado por um fio, que talvez essa postura idealista e de longo prazo não seja razoável.

Será que não valeria a pena ter fechado o nariz e eliminado o Partido dos Trabalhadores Nacional - Socialista, em 1933, na Alemanha, antes que Hitler pudesse chegar ao poder? Será que o fim de eliminar Hugo Chávez justificaria o meio deplorável de eleger um candidato horrível, mas menos louco e autoritário? São questões filosóficas complexas. Confesso ficar angustiado quando penso nisso.

Voltando à realidade brasileira, temos um verdadeiro monopólio da esquerda na política nacional.

PT e PSDB cada vez mais se parecem.

Mas também existem algumas diferenças importantes.

O PT tem mais ranço ideológico, mais sede pelo poder absoluto, mais disposição para adotar quaisquer meios, os mais abjetos, para tal meta.

O PSDB parece ter mais limites éticos quanto a isso.

O PT associou-se aos mais nefastos ditadores, defende abertamente grupos terroristas, carrega em seu âmago o DNA socialista.

O PSDB não chega a tanto.

Além disso, há um fator relevante de curto prazo:

o governo Lula aparelhou a máquina estatal toda, desde os três poderes, passando pelo Itamaraty, STF, Polícia Federal, ONGs, estatais, agências reguladoras, tudo!

O projeto de poder do PT é aquele seguido por Chávez, na Venezuela; Evo Morales, na Bolívia; Rafael Correa, no Equador.

Enfim, todos os comparsas do Foro de São Paulo. Se o avanço rumo ao socialismo não foi maior no Brasil, isso se deve aos freios institucionais, mais sólidos aqui, e não ao desejo do próprio governo.

A simbiose entre Estado e governo na gestão Lula foi enorme. O estrago será duradouro.

Mas quanto antes for abortado, melhor será: haverá menos sofrimento no processo de ajuste.

Justamente por isso acredito que os liberais devem olhar para este aspecto fundamental, e ignorar um pouco as semelhanças entre Serra e Dilma. Uma continuação da gestão petista através de Dilma, é um tiro certo rumo ao pior.


Dilma é tão autoritária ou mais que Serra, com o agravante de ter sido uma terrorista na juventude comunista, lutando não contra a ditadura, mas sim por outra ainda pior, aquela existente em Cuba ainda hoje.

Ela nunca se arrependeu de seu passado vergonhoso; pelo contrário, sente orgulho. Seu grupo Colina planejou diversos assaltos.

Como anular o voto sabendo que esta senhora poderá ser nossa próxima presidente?!

Como virar a cara sabendo que isso pode significar passos mais acelerados em direção ao socialismo bolivariano?

Entendo que para os defensores da liberdade individual, escolher entre Dilma e Serra é como uma escolha de Sofia.

Mas anular o voto, desta vez, pode significar o triunfo definitivo do mal.

Em vez de soco na cara ou no estômago, podemos acabar com um tiro na nuca.

Dito isso, assumo que votarei em Serra.

Meu voto é anti-PT acima de qualquer coisa.

Meu voto é contra o Lula, contra o Chávez, que já declarou abertamente apoio à Dilma.

Meu voto não é a favor de Serra.

No dia seguinte da eleição, já serei um crítico tão duro do governo Serra, como sou hoje do governo Lula.

Mas, antes é preciso retirar a corja que está no poder.
Antes é preciso desarmar a quadrilha que tomou conta de Brasília.

Só o desaparelhamento de petistas do Estado já seria um ganho para a liberdade, ainda que momentâneo.

Respeito meus colegas liberais, que discordam de mim e pretendem anular o voto. Mas espero ter sido convicente de que o momento pede um pacto temporário com a barbárie, como única chance de salvar o que resta da civilização - o que não é muito, mas é o que hoje devemos e podemos fazer!